Cancelar

 

Trabalhadorxs do Santander discutem situação do ramo financeiro e reivindicações no Encontro Estadual

Encontro foi realizado nesta tarde de quinta-feira (29)

Funcionárias e funcionários do Santander reuniram-se nesta quinta (29) durante o Encontro Estadual para analisar o atual contexto do ramo financeiro e debater as demandas dados bancários. 

A coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander, Lucimara Malaquias, abriu o evento reforçando a importância da organização dos trabalhadores. Ela também comemorou a vitória na Justiça, nesta semana, da condenação do Santander em R$ 50 milhões por demissões na pandemia e práticas antissindicais.

Balanço e conjuntura

A técnica do Dieese, Catia Uehara, destacou que o Santander fechou 7.566 postos de trabalho desde 2012. Além disso, desde 2019, o banco fechou 263 agências. Já o lucro segue em tendência de alta, com um aumento de 98,4% entre os segundos trimestres de 2020 e 2021. Segundo Catia, a redução significativa do setor bancário é influenciada pelos investimentos no setor de tecnologia e na digitalização – o que também afeta a representação dos trabalhadores pelos sindicatos.

Saúde do trabalhador

Os participantes do encontro também discutiram questões ligadas à saúde das trabalhadoras e dos trabalhadores. A diretora de Saúde do Sindicato, Luciana Duarte, apresentou a pauta que tem sido negociada com os bancos e ressaltou que, atualmente, as medidas de prevenção da pandemia do coronavírus são prioridade no debate. Entre os vários pontos de discussão, estão protocolos sanitários, trabalho em home office, sequelas da Covid-19, emissão de CAT e retorno ao trabalho presencial.

A diretora regional do Seeb-BH, Paula Viana, lembrou que as constantes atualizações no sistema do banco têm gerado indisponibilidade de acesso e atrasos nos atendimentos de clientes nas agências. Ela também ressaltou o rankeamento da produção das funcionárias e dos funcionários do Santander através de mensagens enviadas por aplicativos. “O envio de mensagens não tem dia, nem hora e acabam gerando uma competição nos grupos com a exposição da produção dos funcionários. Essa é uma prática proibida na nossa própria CCT”.

Pauta específica

A discussão de propostas para a pauta específica tratou de temas como saúde, emprego e contratações, condições de trabalho, metas abusivas e terceirização/pejotização. As resoluções serão levadas ao Encontro Nacional dos Funcionários no dia 3 de agosto.

“Discutimos questões que afetam diretamente o dia a dia dos trabalhadores para construir uma pauta que atenda às demandas de funcionárias e funcionários do Santander. O setor financeiro está passando por grandes mudanças e temos que fortalecer nossa organização para enfrentar estes desafios”, afirmou Wagner Ribeiro, diretor do Sindicato e coordenador estadual da COE do Santander.

Fonte: Fetrafi-MG