Abono Salarial: o que você precisa saber 
Cancelar

 

Abono Salarial: o que você precisa saber

Entenda melhor as conquistas da CCT dos Bancários

Num cenário adverso, uma das maiores crises sanitárias do país e com um Governo que retira direitos da classe trabalhadora, sindicatos de diversas categorias já veem 2020 como um dos anos mais difíceis de realizar as negociações salariais e de outras pautas.
Com a categoria não foi diferente. Banqueiros não só apoiam as medidas do Governo Bolsonaro como enxergam na crise uma oportunidade de aumentar a lucratividade. A ganância presente no sistema financeiro não só foi vista no cotidiano das bancárias e bancários nas agências através de práticas assediadoras, como foi levada à mesa de negociação. Alguns bancos como o Santander até ameaçaram sair da mesa. Uma total falta de comprometimento com os funcionários.   
O movimento sindical já sabia que seria um ano muito difícil, conjuntura desfavorável e primeira negociação após a reforma trabalhista. Mesmo assim partiram para o embate com a garra de manter todas as conquistas da categoria bancária. Assim os sindicatos investiram em uma forte mobilização online nas redes sociais e a categoria manteve a união pressionando os bancos. Trabalhadores e movimento sindical lutaram por Nenhum Direito à Menos!
Assim a Convenção Coletiva de Trabalho, CCT dos Bancários, foi aprovada pela categoria em 31 de agosto e assinada por dois anos (2020/2022). Importante ressaltar que as conquistas contribuem com a economia do país injetando cerca de R$ 8 bilhões na economia nos próximos 12 meses, de acordo com dados do DIEESE.
Integrantes do Comando Nacional dos Bancários, como a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Ivone Silva, ressaltaram a dificuldade da negociação este ano. Em matéria publicada no site do sindicato ela ressalta a exaustão durante as 15 rodadas de negociação e a criatividade e união da categoria com as mobilizações nas redes sociais. 
O presidente do SINTRAF JF, Watoira Antônio, que participou na campanha mobilizando bancários da base do sindicato nas redes e nas assembleias, também fez uma avaliação da campanha: "Tivemos uma ótima campanha salarial se comparado com as outras categorias. Tivemos ganho real, manutenção de todas as conquistas e direitos. Enquanto a maioria das categorias perderam muitas conquistas, como os Correios que acompanhamos e apoiamos a negociação. O comando e os bancários só tem a comemorar numa conjuntura desfavorável, com a reforma trabalhista e o Governo golpista, fascista aliado dos banqueiros como o de Bolsonaro.".
Após a campanha muitas dúvidas surgiram. Por isso, o SINTRAF JF irá fazer uma série de matérias explicando como ficou cada item da CCT e reforçando a necessidade de valorização da mesma. 

Salário e abono

Este ano, a categoria conquistou um reajuste de 1,5% sobre salários + abono de R$ 2 mil para os bancários – o que garante, em 12 meses, valores acima do que o obtido apenas com a aplicação do INPC para salários até R$ 11.202,80, o que representa 79,1% do total de bancários. Para 2021: aumento real de 0,5% sobre salários e demais verbas.
Salário: Reajuste de 1,5% sobre os valores praticados em agosto de 2020 e pagos até  30/09/2020.
Abono em parcela única: R$ 2000 que pago na folha mensal, em 25/09/2020 e somado aos demais rendimentos tributáveis para fins de apuração do Imposto de Renda.

Abono: casos especiais

O abono conquistado para este ano é uma novidade e como frisa a diretora de Saúde e Condições de Trabalho, Taiomara Neto de Paula, requer atenção dos bancários que estão afastados. Ela destaca que todos os bancários têm direito ao abono, mas que existem alguns critérios para o pagamento àqueles que estavam ou estão de licença: "Como as agências do INSS estão fechadas por conta da pandemia, muitos bancários não fizeram a perícia presencial até 30 de agosto. Dessa forma, o bancário que não recebeu o abono agora, receberá posteriormente, isso se o retorno ao trabalho acontecer até agosto de 2022." comenta a diretora. 
Como a data para pagamento do abono era até ontem, 30/09/2020, Taiomara reforça que é importante o bancário fazer a conferência e se tiver dúvidas entrar em contato com o Sindicato. 
Confira os critérios apresentados na CCT sobre o pagamento do abono aos bancários afastados:
"Parágrafo primeiro - O abono único de que trata esta cláusula será pago aos empregados que se encontravam afastados do trabalho em 31.08.2020, de acordo com os seguintes critérios e condições:

a) até o dia 30.09.2020, às empregadas que, em 31.08.2020, se encontravam afastadas por auxílio maternidade;

b) até o dia 30.09.2020, aos empregados que em 31.08.2020 se encontravam afastados do trabalho por auxílio-doença previdenciário ou auxílio-doença acidentário, e que, nessa data, faziam jus à complementação salarial prevista na Cláusula “Complementação de Auxílio-Doença Previdenciário e Auxílio-Doença Acidentário” da Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2020; 

c) até a folha de pagamento do mês subsequente ao retorno ao trabalho, se este ocorrer até 31.08.2022, aos empregados que em 31.08.2020 se encontravam afastados do trabalho por auxílio-doença previdenciário ou auxílio-doença acidentário, e que, nessa data, não faziam jus à complementação salarial prevista na Cláusula “Complementação de Auxílio-Doença Previdenciário e Auxílio-Doença Acidentário” da Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2020;"

Fonte: SINTRAF JF com informações da Contraf-CUT e do Sindicato dos Bancários de São Paulo