Alerta jurídico: advogados particulares assediam bancários 
Cancelar

 

Alerta jurídico: advogados particulares assediam bancários

Bancários têm relatado abordagem por advogados particulares para execução de créditos de ação coletiva do Sindicato

O SINTRAF JF tem sua trajetória marcada pela intensa defesa dos direitos da categoria bancária. Nossa mobilização e articulação já garantiu muitas conquistas aos trabalhadores, se tornando referência para o movimento sindical da região como um todo. Para fazer valer nossos direitos, denunciar e reverter as injustiças que os trabalhadores do sistema financeiro são acometidos contamos com uma assessoria jurídica de qualidade técnica e de comprometimento com a defesa dos direitos individuais e coletivos da categoria bancária.

Recentemente o SINTRAF JF têm recebido queixas de diversos bancários que estão sendo abordados por profissionais não vinculados ao seu Departamento Jurídico. Situação relatada por funcionários de diversos bancos.

A diretoria do sindicato acredita ser natural que advogados trabalhistas ofereçam seu trabalho, o que não consideram ético é o fato de alguns desses profissionais, devido às dificuldades impostas pela reforma trabalhista, na medida em que acabou com a gratuidade da justiça do trabalho, se aproveitarem do trabalho dos advogados credenciados à entidade e assediarem os bancários com oferta de execuções de ações trabalhistas já ganhas. Dessa forma, os dirigentes apontam que esses profissionais cobram do bancário um serviço que o sindicato oferece gratuitamente.

A vice-presidenta do SINTRAF JF, Lívia Terra, que acompanha de perto o trabalho do departamento jurídico atenta o bancário para os prejuízos de recorrer à tal serviço: "Quando o bancário aceita esse tipo de serviço, deixa de ter esse tipo de serviço de forma gratuita através do sindicato e tem que pagar de 20 a 30% do valor da ação. Consideramos uma postura nada ética! Com a reforma trabalhista, a justiça do trabalho deixa de ser gratuita e muitos trabalhadores têm medo de ingressar com ações coletivas. Isso dificulta que advogados trabalhistas sem escrúpulos consigam clientes. Este tipo de profissional oferece o serviço apenas para ganhar dinheiro, uma vez que a ação já está ganha. Querem ganhar em cima do trabalho dos profissionais credenciados ao sindicato que despenderam tempo, recurso, elaboraram as teses, correram atrás, sofreram durante o processo de execução que é algo demorado. Aí vem e pegam tudo pronto para ganhar dinheiro. Tal atitude prejudica o sindicato, os advogados que trabalharam no processo e principalmente os bancários que arcam com os custos das ações é o sindicato através dos honorários assistenciais." reforça a dirigente.

Cabe frisar que a intenção da entidade é estritamente de alertar a todos aqueles que receberem esse tipo de abordagem para que procurem o Departamento Jurídico do sindicato para esclarecimentos antes de qualquer decisão. O sindicato não tem intenção de atacar nenhum profissional, apenas de forma transparente esclarecer esses fatos e sanar as dúvidas dos trabalhadores. "Ressalto que existem excelentes profissionais, não apenas os credenciados ao sindicato, mas o sindicato confere à credibilidade dos profissionais credenciados. São advogados sérios, comprometidos com os trabalhadores. Nosso alerta é a fim de evitar que o bancário caia na mão de oportunistas, o que pode causar muitos problemas para o trabalhador, como já vimos acontecer e que depois coube aos advogados credenciados intervir para retira o bancário de situação delicada.", conclui Lívia.

Ressaltamos nosso compromisso com o sigilo dos dados dos trabalhadores. Mas lembramos que pela natureza pública dos processos qualquer advogado tem acesso à lista de nomes existente nos autos. 

O Sindicato planeja, como forma de estreitar o contato dos bancários e aposentados sindicalizados ao corpo jurídico credenciado, publicações mensais onde os próprios profissionais responderão às dúvidas que chegam diariamente em nossos canais de comunicação. 

Em caso de dúvidas ou esclarecimentos sobre ações, entre em contato com o Departamento Jurídico do Sindicato pelos telefones (32) 32 98402-2074 ou com um dos advogados credenciados à entidade contatos em nosso site.