Diretores do SINTRAF JF participam de reunião sobre questões dxs bancárixs com deficiência e LGBTQIA+ 
Cancelar

 

Diretores do SINTRAF JF participam de reunião sobre questões dxs bancárixs com deficiência e LGBTQIA+

Acessibilidade, oportunidades e direitos em pauta

Nesta quinta-feira, 4, os diretores do SINTRAF JF, Lívia Terra e Robson Marques, estão participando de uma reunião organizada e convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, Contraf-CUT, para debater questões relacionadas ao cotidiano de trabalho dos bancarixs com algum tipo de deficiência e os trabalhadores LGBTQIA+. 

A Contraf-CUT já promoveu diversas campanhas através dos sindicatos filiados para a valorização dos trabalhadores com deficiência, LGBTQIA+, mulheres e negrxs, como a Campanha Não Precisa Ser para Sentir, que objetivou sensibilizar toda a categoria para a inclusão e respeito à cada indivíduo. Além dessa campanha que se tornou permanente, o movimento sindical está sempre atento a todos os tipos de violações de direitos que possam ocorrer no setor bancário.

O secretário geral do SINTRAF JF, Robson Marques, destaca a importância do debate contexto que vivemos de invisibilidade de direitos: "Nós entendemos a importância de discutirmos e atuarmos firmemente para que os bancos e as empresas em geral respeitem estes trabalhadores e deem a eles oportunidades e acessibilidade para realizarem seu trabalho.".

Sobre a questão da acessibilidade, Robson Marques, que está iniciando uma militância em Juiz de Fora e região em defesa das pessoas com deficiências, acrescenta que a acessibilidade aos locais públicos, privados, às cidades de um modo geral é algo que precisa ser repensado por todxs com urgência. "É inadmissível que as pessoas com deficiência tenham sua participação e presença negadas, nos espaços, nas redes ou em qualquer outra esfera. Precisamos pensar de forma mais ampla.".   

A reunião teve continuidade na parte da tarde para debater os desafios dxs bancárixs LGBTQIA+ e articular políticas para o público no sistema financeiro. Os diretores também participaram da segunda parte. Reafirmando a relevância do debate da igualdade de oportunidades, Robson reforça que é urgente priorizarmos o acesso de todxs à direitos, trabalho e espaços de poder. Para ele, só através da representatividade conseguiremos construir uma sociedade melhor, que de fato seja para todxs.